No contexto atual de equitação, procura-se um cavalo que se prenda a uma situação ideal para o desporto. É necessário que o animal apresente reações controladas, como a capacidade de suportar exigências de manejo, ou seja, observa-se um animal que aprenda rapidamente e que obedeça aos comandos.

Um cavalo com reações agressivas ou inadequadas colocaria em risco a vida daquele que fosse utilizá-lo como instrumento de treinamento para equitação.

Esse tipo de animal sente o ambiente da mesma forma que nós humanos. Por ser mais observador, parece assustar-se facilmente, sem motivos; tudo pode amedrontá-lo, até mesmo uma folha de papel ao vento. Possui os sentidos mais apurados do que os nossos. Isso pode torna-lo mais difícil de ser domado.

A  espécie dos equinos vive uma situação de “presas” há milhares de anos. Para a prática da equitação, é necessário que o animal esteja inserido num contexto de relação social com o homem. Procura-se uma identificação para que se faça a montaria e o treinamento de forma harmoniosa.

Há aspectos importantes a serem considerados no perfil do comportamento do cavalo. Tem que ser calmo, bastante observador, de fácil aproximação e colaborador.