O comportamento das éguas durante a fase reprodutiva é uma das questões pouco abordadas pela literatura médica veterinária, que vem ao longo dos anos priorizando questões relacionadas aos aspectos meramente biológicos. No entanto, há alguns raros estudos que demonstram as peculiaridades destes animais durante essa fase.

A égua mais velha tem certo domínio nos espaços com outros animais, de acordo com análises realizadas, gerando assim uma espécie de “hierarquia” dentro das criações. Desta maneira, estes animais podem inclusive impedir a cobertura de éguas mais novas, o que pode também estar atrelado a baixa cobertura das mesmas.

Estas observações apontam ainda que as éguas mais velhas tem maior capacidade de “conquistar” o macho ao demonstrar a sua capacidade reprodutiva (cio) ao levantar sua cauda com frequência e fazer as necessidades fisiológicas.

Todos estes sinais são dinâmicos, mudando de intensidade de acordo com cada fase do estro, sendo que o momento exato da monta, ao contrário do que muitos imaginam, quem determina é a égua, ao permitir o momento exato.

Estes são apenas alguns exemplos do comportamento destes animais durante este período que é determinante para o sucesso na reprodução.